Alternativas Naturais Artesanais

O blog foi criado com foco nas adaptações que a alergia ao látex impõe diante de tantos produtos industrializados dos quais precisamos abrir mão para uma vida livre de látex.

Diante disto, cada vez mais outros aspectos da vida da protagonista deste blog e da página do Facebook Síndrome Látex Alimentos- SLA estão diretamente ligados aos conteúdos que disponibiliza como tentativa de auxiliar nesta jornada.

Eu, portanto, Daisy Fortes, sempre fui uma pessoa de opções naturalistas, pratico yoga desde os 14 anos de idade (estou com 47) e sou uma apaixonada e disciplinada aluna da vida, tendo foco em conhecimentos ancestrais indianos, xamânicos e tudo que reestabeleça ao máximo possível minhas conexões com o universo.

Tenho convicção de que este é um aspecto fundamental para minha sobrevivência até aqui, e creio que os que me conhecem ou ao menos leram o relato sobre a descoberta da SLA em minha vida poderá facilmente perceber isso.

Os tempos tem sido difíceis, sem conseguir alívio dos sintomas mesmo com altas doses das poucas medicações possíveis, com isso, a meditação, o Reiki e a alquimia diária de inventar e reinventar comidas saborosas com apenas 10 itens e criar produtos de higiene pessoal e limpeza os mais naturais possíveis com estes mesmos poucos ingredientes, embora pareça para alguns uma parte muito difícil do processo, é para mim o motivo maior de gratidão à vida. Descobrir a cada dia uma maneira de vida mais natural e independente da industrialização é um desafio delicioso.

A partir de agora então, teremos no blog e na página além das receitas comestíveis, dicas de alternativas naturais artesanais para vida diária, iniciando pelos cuidados de higiene pessoal. Lembrando que não é apenas uma opção por ser natureba, é para muitos alérgicos, a única opção saudável, o que nos leva ao significado maior: “Tudo na vida traz consigo aprendizado, você decide quando irá absorver para seguir para a próxima lição”.

Como acontece

Entro em algum ambiente aparentemente livre de látex ou alimentos – ou pessoas chegam à minha casa – e tudo parece agradável Tudo inicia muito rápido ou, em algumas ocasiões, horas depois.

Às vezes sinto apenas sono incontrolável. Outras vezes começa com diarreia intensa.
Na maioria das vezes, meu coração dispara. Um rubor agonizante toma conta de meu rosto, olhos, garganta, enquanto os ouvidos incham instantaneamente e doem.

Tem vezes que começa logo por broncoespasmos e o pulmão ameaça parar de repente. De comum em todas as maneiras que inicia é a sensação eminente da morte. A energia vital parece escorrer de mim e resta apenas agonia.

Em alguns instantes, alguém terá de perceber e me salvar injetando adrenalina. Deveria ter comigo adrenalina auto injetável, mas esta infelizmente não está disponível no Brasil e não posso custear a importação, pois são inúmeras às vezes em que preciso. Então resta a sorte de estar com alguém que saiba o que e como fazer, dosar a adrenalina da ampola na dose certa e aplicar com agilidade, sem hesitar.

Feito isso, em instantes volto a raciocinar e respirar, porém todo impacto da crise levará 21 dias para passar. Durante este período, muita medicação ainda será necessária, muitos cuidados para que as inflamações das mucosas não evoluam para pneumonia ou outros, muita dor – especialmente da cabeça e ocular – terá de ser suportada.

Do que estou falando? ANAFILAXIA.

Quem nunca sentiu ou presenciou talvez tenha ouvido falar em anafilaxia ou em choque anafilático e relacione com reações a anestesias e medicamentos. Mas ela pode ocorrer por diversos motivos, em geral, uma grave reação alérgica.

Por definição, anafilaxia ocorre quando dois ou mais sistemas do organismo, sendo um deles respiratório ou vascular, entram em colapso. Pessoas alérgicas ou com doenças auto imunes podem iniciar o quadro de anafilaxia por diferentes motivos e diferentes sintomas. No caso das pessoas com Síndrome Látex Alimentos – SLA, pode ocorrer apenas por estar no mesmo ambiente que produtos de látex – especialmente as luvas e balões que liberam partículas muito voláteis no ar e que inaladas vão direto aos pulmões – como também por ingerir ou estar no mesmo ambiente de diversos alimentos, perfumes, tintas e muitos outros, dependendo da sensibilização de cada um.

Mas o importante aqui é dizer mais do que como acontece, é dizer que ANAFILAXIA PODE DEIXAR SEQUELAS E ATÉ LEVAR A MORTE. Não são simples sensações, são sintomas graves, urgência médica e devido ao grande aumento de casos de pessoas alérgicas em todo mundo, temos cada vez mais notícias de pessoas que morrem por anafilaxia.

Aquele conhecido que você ouviu falar que morreu por picada de abelha, aquele outro que passou muito mal quando precisou anestesia, tem aquele também que quase morreu ao comer camarão… todos eles sofreram anafilaxia.

Seja solidário e evite expor as pessoas a coisas que podem causar tanto sofrimento. É importante evitar balões de látex em festas, luvas de látex em seu trabalho ou ambiente familiar, não oferecer alimentos às crianças sem a permissão dos pais. Pense no próximo como em você, afinal, alergias podem ser adquiridas em qualquer momento da vida, ninguém está livre.

Como acontece o choque anafilático

Onde está o látex?

Os números divergem por que alguns dirão que o látex está em cerca de 40 mil produtos, mas apurações mais detalhadas chegam próximas a 300 mil produtos quando analisamos não só de que são constituídos em maioria, mas também detalhes.

O fato é que vivemos cercados de borracha e quando se tem Síndrome Látex Alimentos – SLA aí está o primeiro grande desafio, retirar todo látex de seu convívio.

Por mais detalhada que eu faça a lista, ainda descobrirão mais coisas em seu dia a dia, por isso tentarei lembrar das essenciais e das que eu mesma me surpreendi quando me dei por conta que estavam ali.

luva-latex
Imagem de mãos com luvas de látex, segurando uma faca e cortando rodelas de pepino.

Luvas e balões festivos são nossas maiores vilões pois além do látex oferecer perigo ao contato, são as formas em que ele mais contamina todo ambiente, havendo registro de pessoas que reagem a uma única molécula pairando no ar a cerca de 20 metros ou mais, e esta pode ficar no ambiente por cerca de 3 dias.

Roupas, especialmente as íntimas, bem como lençóis e tudo mais que terá de ser substituído por livres de elásticos mas também observado a composição dos tecidos, que não são obrigados a declarar até 5% de mistura, então a regra é se reage, não usa. Fala-se com as empresas pelo SAC mas nem sempre isso é esclarecedor, e temos de observar também a lavagem das roupas pois estas as quais reagimos não podem ser lavadas junto com as do nosso uso e algumas vezes nem usadas pelas pessoa próximas a nós.

Nos calçados além da sola precisamos estar atentos às colas que tenham contato com os pés pois elas contém látex e este será liberado com o suor dos pés. Além disso, calçados sintéticos com aromas contém óleos em seu tratamento e estes tem látex. Calçados devem ser deixados do lado de fora das casas, procure ter chinelos para oferecer as visitas, ou o piso deve ser muito bem lavado após elas andarem sobre ele com calçados de solas de borracha e mesmo outros pois trarão contaminações diversas da rua ao ambiente.

Eletrodomésticos: Nestes a relação é enorme, vai desde os secadores de cabelo que por terem borrachas em contato com o ar quente as farão ser inaladas por nós ao corta gotas da cafeteira que pode e deve ser retirado pois o café passa por ele e assim é contaminado. Liquidificadores terão de ser de copo inteiro e ainda assim verificado o material  da vedação. Panelas de pressão não poderão ter vedação de borracha natural, existem algumas com silicone que podem ser usadas mas o silicone também pode conter misturas então há de se informar com o fabricante. Sistemas de ar em geral, ventiladores, estufas, ar condicionados, tudo terá de ser conferido.

Imagem em close de um tapete de borracha para veículos.
Imagem em close de um tapete de borracha para veículos.

Nos veículos, a primeira coisa a providenciar é a substituição dos tapetes pelos de material sintético. Muita coisa nos veículos não poderão serem substituídas e o uso do ar condicionado do carro costuma ser problemático bem como andar com as janelas abertas pois estaremos inalando borrachas liberadas no ambiente por todos os veículos então temos de descobrir por nós mesmos qual a maneira menos nos afeta e em viagens longas o uso de máscaras pode ajudar um pouco mas elas não seguram as proteínas pesadas do látex.

Adesivos em geral têm látex. Os que não têm látex, têm milho, o que é problema também para muitos.

Controles remotos costumam ter botões de borracha natural, um filme plástico a ser trocado de tempos em tempos pode resolver.

Cabos de carregadores de celular, fones de ouvido e outros podem conter látex. Nos fones há de se observar também as espumas internas.

Vedações de filtros de água ou mesmo de torneiras podem ser substituídas pelas de silicone puro.

Vários alimentos podem estabelecer reação cruzada com látex e assim nos causar reações, mas temos de verificar a procedência dos mesmos para isentar contaminações por látex em sua produção antes de elimina-los desnecessariamente da dieta. No caso do leite a menos que se tenha como conseguir de ordenha manual, sempre terá muita contaminação de látex pelo uso das teteiras na ordenha. Muitos moinhos também ainda utilizam tubulação de borracha por onde passa a farinha, assim como muitas indústrias utilizam luvas, então toda origem dos alimentos deve ser investigada pois mesmo com a lei da rotulagem a entrar em vigor em junho sabemos que nem todos seguem leis.

Supermercados e outros utilizam luvas de látex no manuseio de alimentos, o que é risco não só ao consumi-los como ao entrarmos nestes ambientes.

Sal, bicarbonato e outros podem ter contaminação por látex no processo de secagem.

Embalagens com cola que contenha látex contamina o alimento.

Gomas utilizadas em diversas coisas como alimentos e creme dental (goma guar e goma xantana) são a base de resinas naturais (látex).

Colchões e travesseiros podem ser de látex. Confira as etiquetas ou entre em contato com fabricante pois há boas alternativas livres de látex.

Bem, se eu ficar relatando o texto será ainda mais imenso e talvez muitos cansem de ler na metade, então vamos aos poucos. Com estes alertas, aprendendo a ter uma visão mais apurada para detectar e tentar excluir tudo ou ao menos o máximo do que há com látex em nossas vidas, pois essa é a única maneira até o momento de evitarmos maior sensibilização ou mesmo crises que podem ser fatais.